Ações da Secretaria Municipal de Saúde buscam reduzir casos de sífilis em Ibotirama

Programas como distribuição de preservativos, palestras e testagem rápida são realizados no município.

0
Uma caixa com camisinhas fica disponível ao público em algumas das unidades de saúde. (Foto: Gazeta 5)

Os casos de sífilis aumentaram consideravelmente em Ibotirama nos últimos anos. De 2016 a 2018, conforme dados oficiais, 62 registros foram contabilizados pelo Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde.

O Gazeta 5 entrou em contato com a Secretaria Municipal de Saúde, na manhã desta quarta-feira (15), e levantou quais ações são feitas pelo órgão para tentar combater a doença.

De acordo com a secretaria, vários programas de prevenção já existem no município. A lista inclui distribuição de preservativos, palestras nas unidades de saúde, testagem rápida e acompanhamento de gestantes no pré-natal.

Entre as medidas citadas, a novidade está na forma como é feita a distribuição de camisinhas atualmente. Nas unidades do Alto do Cruzeiro, São Francisco 1 e Centro, por exemplo, uma caixa com os preservativos fica disponível ao público, não havendo mais necessidade de cadastro para retirá-los. A ideia é facilitar o acesso dos usuários à proteção, e a estratégia alcançará outras unidades nos próximos meses.

Outro recurso importante no controle da doença é a testagem rápida, que pode ser feita em qualquer unidade de saúde da rede. O exame dura cerca de 15 minutos e ajuda no diagnóstico da sífilis. Em caso positivo, o paciente é encaminhado imediatamente ao tratamento.

A secretaria também informou que uma das maiores preocupações da pasta é com a sífilis nas gestantes, pois, caso o problema não seja tratado, a doença pode comprometer a saúde do bebê.

Para essa situação, as equipes de saúde da família são preparadas para identificar os casos e tratá-los durante o pré-natal. Em 2018, por exemplo, apesar da notificação de situações em gestantes, nenhum episódio de sífilis congênita foi registrado pelo MS, o que demonstra eficácia no acompanhamento.

A sífilis é uma infecção sexualmente transmissível, declarada como grave problema de saúde pública, transmitida pelo agente Treponema Pallidum. Assim como outras DSTs, o uso da camisinha é a melhor forma de prevenir a doença.

Publicidade