Tâmara Rossene lança “Outras Margens do Reisado e do Rio”, na próxima quinta-feira (12), em Salvador

Autora ibotiramense participa de lançamento coletivo realizado pela Editora da Universidade Estadual da Bahia.

0
Tâmara Rossene é Mestre em Crítica Cultural pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e, entre vários outros trabalhos, se destaca na produção cultural e literária. (Foto: Arquivo Pessoal)
Publicidade

A obra Outras Margens do Reisado e do Rio, da escritora ibotiramense Tâmara Rossene, está entre os nove títulos que serão lançados coletivamente pela Editora da UNEB (EdUNEB), na próxima quinta-feira (12), em Salvador.

O evento acontece a partir das 18h30, no Museu de Arte da Bahia, no bairro Corredor da Vitória. Livros de diversos gêneros estão no conjunto das publicações.

Outras Margens do Reisado e do Rio (leia sinopse abaixo) narra, entre outros assuntos, a trajetória da autora na tentativa de compreender as transformações culturais ocorridas em Ibotirama.

Com várias formações acadêmicas no currículo, no campo literário, Tâmara Rossene é autora do blog www.chocalhodedentro.blogspot.com.

Desde 2006, a escritora tem versos publicados no Livro da Tribo. Os trabalhos dela também foram publicados por dois anos seguidos – 2014 e 2015 – no livro do Concurso Literário do Servidor Público do Estado da Bahia. Nesse período, o conto Vestido de Noiva foi premiado em 2º lugar.


Lançamento acontece na próxima quinta-feira (12). (Foto: Reprodução)

Sinopse

Na memória da população ribeirinha do Velho Chico, as chulas, as rimas, os ritmos. Os que deixam essas bandas levam essas cenas consigo. Mais de vinte anos depois de partir, a autora deste trabalho retorna ao município de Ibotirama, BA, e ouve as vozes que negam a existência das expressões da cultura popular. Essas afirmativas a levaram a um labirinto de perguntas e de busca de repostas. Era preciso compreender as transformações ocorridas na produção cultural periférica desse espaço e suas inter-relações. Para tal, se aproximou do Reisado de Nega, da comunidade do Cantinho, dos seus atores e dos seus ritos. Em paralelo a essa história, traça o curso das cidades do território do Velho Chico e a sua gênese, ligada ao rio São Francisco, que ditou por anos a dinâmica desses lugares. No entanto, o surgimento das rodovias distanciou as cidades do rio, modificou os modos de vida e os sentidos atribuídos a ele e ao que está a sua volta. Nesse percurso a cultura popular vai sendo percebida como parte desse movimento. O rio e esses personagens são elementos que se ressignificam para permanecer.